Homilia - 16/06/2019 - Santíssima Trindade

Como seres racionais que somos, queremos explicação para tudo. A modernidade nos fornece resposta para nossas interrogações num instante: abrimos o “Google” na internet e lá encontramos o que procuramos saber. A humanidade, desde sempre, procurou desvendar o mistério de Deus. A ciência nunca vai nos dar uma resposta à pergunta: quem é Deus.

De antemão já vamos nos lembrar de uma coisa: Deus é muito mais do que conseguimos dizer dele. Apesar de toda a revelação de Deus feita a nós pela sua Palavra. Ele permanece um mistério insondável.

Celebramos, hoje, a festa da Santíssima Trindade. No início de cada celebração Eucarística, traçamos o sinal da cruz e pronunciamos as palavras: “Em nome do Pai, do Folho e do Espírito Santo”. Essa fórmula é também a do nosso Batismo. Fomos batizados “em nome do Pai, do Folho e do Espírito Santo”. Nossa fé está fundamentada sobre a Trindade de Deus: o nosso Deus é Pai, é Filho, é Espírito Santo. Isso nos foi anunciado por Jesus, o Filho, que se apresentou a nós como sinal do amor de Deus que vai até as últimas consequências: a morte na cruz.

Cremos em Deus Trindade. No Batismo nos tornamos filhos e filhas de Deus Trino. Esta é a nossa identidade cristã. Mas, qual é a característica que nos distingue dos seguidores de outras religiões? Será que é o amor ao próximo? Acredito que não! Também os outros praticam o bem e a caridade. Ou será que é a nossa fé em Deus que nos distingue dos outros? Até os pagãos, os budistas, os hindus... têm fé e acreditam numa divindade, num ser superior. Será que a nossa diferença está na oração? Também os muçulmanos rezam... Três vezes, durante o dia, eles se ajoelham em direção a Mecca e rezam. Então, o que nos distingue dos outros? Qual é a nossa identidade cristã?

“Por favor, sua carteira de identidade!” Quantas vezes já tivemos que apresentar a nossa carteira de identidade. Tiramos o documento do nosso bolso e mostramos a quem nos havia solicitado e, deste modo, fomos logo identificados.

“Por favor, sua carteira de identidade cristã!” Se alguém nos pedisse a carteira de identidade de cristão, o que a gente apresentaria? Qual é a característica que nos distingue dos seguidores de outras religiões? Será que é o amor ao próximo? Acredito que não!Também os outros praticam o bem e a caridade. Ou será que é a nossa fé em Deus que nos distingue dos outros? Até os pagãos, os budistas, os hindus... têm fé e acreditam numa divindade, num ser superior. Será que a nossa diferença está na oração?

Também os muçulmanos rezam... Três vezes, durante o dia, eles se ajoelham em direção a Mecca e rezam. Então, o que nos distingue dos outros? Qual é a nossa identidade cristã?

Cremos em Deus-Trindade. Fomos batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. A foto que se encontra em nossa "carteira de identidade de cristão" é a foto da Santíssima Trindade. Como é o rosto de Deus? Ninguém nunca viu a Deus. Mas ele se revelou a nós através de Jesus que nos revelou Deus através do seu modo de ser, de pensar, de ensinar, de agir.

A foto que se encontra em nossa "carteira de identidade de cristão" é a nossa fotografia, pois fomos criados à imagem e semelhança deste Deus que é TRINDADE, que é Pai, Filho e Espírito Santo.

Jesus chamava Deus de Pai. E assim ensinou também aos discípulos. Ensinou a dizer: Pai nosso...

Jesus falava constantemente do Pai como daquele que o enviou para cumprir sua vontade. Ele mostrou essa vontade do Pai por seu modo de agir: perdoando os pecadores, curando os doentes, valorizando as pessoas.

Certa vez, Filipe, um dos discípulos, pediu: “Senhor, mostra-nos o Pai”. Jesus respondeu: “Quem me vê, vê o Pai” (Jo 14,8). Com isto, quis dizer que é ele quem mostra como é Deus, o Pai. Portanto, conhecendo Jesus, conhecemos o modo de ser de Deus-Pai: misericordioso, cheio de amor para com os fracos e excluídos.

Jesus não fala somente do Pai, mas também promete mandar o Espírito Santo. Na leitura do Evangelho ouvimos: “Quando, porém, vier o Espírito da Verdade, ele vos conduzirá à plena verdade. Pois ele não falará por si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ‘ouvido’ do Pai e do Filho” (Jo 16,13).

Para São Paulo, como ouvimos na segunda leitura, é muito claro que Deus é Pai, é Filho – nosso Senhor Jesus Cristo – e é Espírito Santo – dom de amor. “O amor de Deus foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado” (Rom 5,5).

E daí? Poderíamos nos perguntar: “Tudo bem: Deus é Trindade, Deus é Amor. E o quê temos a ver com isso?”

O próprio Deus, nos ama e nos adotou como filhos e filhas seus. Qual, então, é nosso compromisso de viver como filhos e filhas de Deus?

O compromisso que vem da Palavra que ouvimos hoje é muito sério. Uma vez que temos a vida divina dentro de nós, somos chamados a viver como filhos e filhas de Deus no meio da sociedade. Nossas atividades, nossas palavras, nosso relacionamento com as pessoas devem mostrar e demonstrar que Deus vive dentro de mim.

Se quisermos saber como Deus gostaria de estar presente em nossas palavras e ações, olhemos para Jesus.

O jeito de Jesus agir e tratar as pessoas é o jeito como Deus age e trata as pessoas. O modo de acolher as pessoas, fossem elas pecadoras ou não, é o modo como Deus trata as pessoas.

Viver o amor do Pai significa dizer não a todo tipo de autoritarismo, de egoísmo. É sair de si e ir ao encontro do outro, sem nenhuma exigência de retribuição e contrapartida. É preocupar-me com o outro, com seu bem-estar, sua felicidade. Descubro que eu não sou o centro do mundo. Devo sair de mim para encontrar o outro, sem armas, sem reservas, sem preconceitos. Dou-me ao outro sem imposições. Amar é, simplesmente, dar-se.

E o Espírito Santo... onde fica? Ele está presente justamente nesta dinâmica: dar e receber amor. Ele é a presença do Amor. Quando amamos e quando nos deixamos amar o Espírito do Amor, o Espírito Santo está presente. Nós sentimos sua presença, mesmo quando não sabemos defini-la. Presença de Deus! O Espírito Santo está presente quando deixamos de lado todos os fechamentos, os esquemas preestabelecidos, os preconceitos, os dogmatismos... pois, “o Espírito sopra onde quer”.

Festejando, hoje, a solenidade da Santíssima Trindade, devemos reconhecer que Deus é muito mais do que conseguimos dizer dele. Quando o chamamos de “Santíssima Trindade”, afirmamos que Deus é um mistério, mas não um mistério simplesmente incompreensível, mas um mistério de amor. Amor não se explica, simplesmente se ama. Com o mistério da Santíssima Trindade é assim também: não adianta querermos explicações.

O que sabemos, e disso temos certeza, a Trindade tem muito a ver com a nossa vida, da vivência do amor.

De fato, temos muita dificuldade em entender o mistério da Santíssima Trindade. Sabem por quê? Porque ainda não conseguimos encarnar, completamente, o amor de Deus.

"Quem me vê, vê o Pai", disse Jesus. Hoje, deveríamos mostrar nossa carteira de cristão e dizer: "Quem vê os cristãos, vê o amor de Deus, vê a Deus e seu amor presente entre nós”.

 

 

Frei Gunther Max Walzer